domingo, 30 de setembro de 2012

SENHORES DO HIPERCENTRO


O Centro de Belo Horizonte é um dos locais mais interessantes da metrópole, como eu já disse inúmeras vezes aqui no blog. Dentre suas mais diversas características, um fato que me chama a atenção são os senhores aposentados que vivem na região. São centenas, talvez milhares de proprietários da terceira idade que diariamente perambulam pelas quadras que circundam a Praça Sete. Encontramos eles disputando partidas de damas e xadrez no nível térreo do antigo prédio do BEMGE, tomando cafés frescos no tradicional Café Nice e jogando conversa fora sentados nos diversos bancos do quarteirão fechado da rua Rio de Janeiro, como mostra a foto de hoje. Em sua grande maioria, os senhores são aposentados e antigos moradores do Centro, de uma época em que lá eles trabalhavam e viviam suas vidas de maneira provinciana e tranquila. Observo no olhar deles o saudosismo por um tempo que se foi, como é comum nessa idade. A atmosfera nostálgica se dá provavelmente pelo fato de não termos mais o bucolismo de outrora, em uma cidade que cresceu explosivamente nos últimos cinquenta anos.

Um abraço pra vocês e até amanhã.

sábado, 29 de setembro de 2012

FRENTE FRIA


Há poucos dias atrás eu postei uma foto seguida de um texto que falava do calorão infernal vivido pelos belo-horizontinos nas últimas semanas. Como se fosse por ironia do destino, a situação reverteu-se; e em plena primavera uma frente fria pairou na atmosfera da cidade, despencando as temperaturas surpreendentemente. Noites e madrugadas com mínimas de 9º e tardes ensolaradas com máximas de 21º. Como se não bastasse, a forte ventania diminui a sensação térmica em cerca de 4º ou 5º, pegando cidadãos desprevenidos que perambulam pelas ruas da urbe. Com nuvens carregadíssimas vindo do litoral em direção à metrópole, dentro de poucos dias teremos temporais destruidores, comuns nessa época. É Belo Horizonte experimentando os mais diversos tipos de climas em um curto período de tempo.

Abraços e até amanhã!

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

DO SUL PARA O NORTE
 
 
“A proporção que passa o tempo, mais se compreende que a implantação de Belo Horizonte no centro econômico geográfico do Estado obedeceu a uma sábia orientação; centro da atividade oficial, destina-se a polarizar toda a existência social e econômica de Minas, dando-lhe um sentido unitário e reagindo sobre a vida das diversas regiões na forma de constantes e de poderosos estímulos. E assim que a cidade, durante tantos anos necessariamente voltada à vida oficial, se está tornando uma cidade exemplar, em relação a todo o Estado, agitando-se de forças próprias pelo rápido incremento das atividades comerciais e industriais. (...)”
 
Parte do relatório do prefeito Octacílio Negrão de Lima de 1935.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

BH WAY OF LIFE 


Belo Horizonte é, incontestavelmente, a terceira maior cidade brasileira. Com certa frequência escuto alguns questionamentos opositores sobre o assunto, dizendo que outras metrópoles a passaram; que ela já deixou de ser a terceira a tempos... Certo? Errado. Tudo é uma questão de interpretação. O IBGE classifica o município de BH (com aproximadamente dois milhões e meio de habitantes) como o sexto mais populoso do Brasil, e este município está inserido dentro da terceira maior cidade do país; é a sede da terceira maior metrópole brasileira, que hoje conta com mais de cinco milhões de habitantes. Belo Horizonte possui uma área territorial pequena; e a cidade cresceu por além de seus limites, invadindo os municípios vizinhos. Hoje temos uma gigantesca área urbana, uma enorme massa populacional intensamente conurbada, sendo que o município de BH ficou no meio, pequeno, comprimido em uma grande metrópole.

O mesmo acontece com São Paulo, a qual possui onze milhões de habitantes no município e vinte milhões na massa urbana. Sampa é considerada a quinta maior cidade do mundo, mas se considerarmos apenas o município, ela não está nem entre as dez maiores.

Cidade: meio geográfico e social caracterizado por uma forte concentração populacional que cria uma rede orgânica de troca de serviços (administrativos, comerciais, profissionais, educacionais e culturais). [Infopédia]

Não é atoa que sempre se referem à Tóquio como a maior cidade do planeta. Na verdade, Tóquio nem é um município. A palavra Tóquio, em japonês, significa grande metrópole. Tóquio é um conjunto de 23 municípios, cada um com uma administração diferente; assim com acontece com a Grande Belo Horizonte, a qual constitui apenas uma cidade, mesmo contando com 34 municípios distintos, sendo 18 deles intensamente conurbados. Não se define uma cidade apenas pela sua administração, pelo seu prefeito. Temos que analisar todo o contexto que envolve a questão. Eu moro a duzentos metros de Sabará. Atravesso a avenida principal do meu bairro pra fazer compras em um supermercado, sendo que ele está em outro município. Fui pra outra cidade? É claro que não.

Mas não é só na população que a Grande Belo Horizonte ocupa a terceira posição no Brasil. A metrópole é também o terceiro maior polo econômico, financeiro, industrial e cultural da federação; é o maior polo de pesquisas na área de biotecnologia da América do Sul; é a segunda cidade que mais exerce influência sobre municípios, além de ser a metrópole que mais cresce economicamente no país. Possui também duas universidades e três colégios que estão entre os dez melhores do Brasil e foi considerada pela ONU como a metrópole com maior qualidade de vida de toda a América Latina. Fatos que tornam Belo Horizonte, com certa folga, a terceira mais importante metrópole do país.

Uma boa noite pra vocês e até amanhã!


segunda-feira, 24 de setembro de 2012

BELVEDERE


Belo Horizonte possui a terceira maior frota de helicópteros do Brasil. Com mais de duzentas aeronaves registradas, a cidade já sofre com a falta de helipontos na região central e caminha para um congestionamento aéreo diário, com intensa movimentação no horário comercial. A situação já se assemelha ao caos aéreo vivido por São Paulo. A partir do alto da Avenida Raja Gabáglia, onde trabalho, é possível ver um pouso a cada cinco minutos ou menos, em um heliponto de uma empresa de taxi aéreo da região. Em algumas situações vemos dois ou três helicópteros pairando na mesma área, uns decolando, outros querendo pousar. Por sorte, poucos tem poder aquisitivo o suficiente para comprar um brinquedinho desses. Já pensou que estrago seria se cada um dos cinco milhões de habitantes da metrópole pudessem ter seu próprio helicóptero?

Uma boa noite pra vocês e até amanhã!

domingo, 23 de setembro de 2012

PÁSSAROS


Rodeada por centenas de parques, serras e reservas, Belo Horizonte recebe frequentemente a visita de lindas aves das mais diversas espécies: tesourinhas, bem-te-vis, japus, anús, almas-de-gato, corujas, andorinhas, tico-ticos, periquitos, freirinhas, tucanos, canários, sabiás, gaviões, guaracavas, mergulhões, tizius, pica-paus, corrupiões, saracuras, tiês, carcarás, dentre outras milhares de estirpes, são comumente vistos dividindo espaço com os tradicionais pássaros urbanos, como pardais e pombos domésticos. Em determinadas situações nem precisamos ir tão longe: basta abrirmos a janela de casa para nos deparamos com graciosas e imponentes aves, esbanjando beleza, empoleiradas nas árvores ou nos topos dos edifícios. Nisso, percebemos que a maior metrópole mineira vai muito além de edifícios e grandes avenidas. A natureza se entranha na urbe de forma parecermos estar em uma grande cidade jardim.

Um grande abraço pra vocês e até amanhã!

sábado, 22 de setembro de 2012

MODERNISTA


Belo Horizonte foi uma das cidades mais importantes para o desenvolvimento da arquitetura modernista no Brasil, juntamente com Brasília e Rio de Janeiro. Com obras que consolidaram a carreira de grandes arquitetos, a cidade possui um acervo que praticamente conta a história do movimento no país, com exemplares de todas as suas fases: brutalismo, art déco, futurismo, cubismo, bauhaus, dentre outros. Um passeio pela Pampulha ou pela região central da cidade é uma aula de arquitetura modernista ao olhares mais atentos. Um bairro que me chama muita atenção é o Cidade Jardim. Com a grande maioria de suas residências construídas no referido estilo, o bairro é uma volta aos anos 50: luxuosas casas com rampas de acesso à enormes alpendres; telhados em "V" invertido, sustentados por delgados cilindros de ferro; janelas com vidro 100% transparentes, decorados por cortinas bege claras; dentre outras várias características, compões o visual da região. Quando eu tiver um tempo, vou passear pelo bairro afim de conseguir umas fotografias e postá-las aqui no blog.

Um grande abraço pra vocês e até amanhã!

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Atenção pessoal,

Este blog, como já disse anteriormente, é fruto de um tópico que criei há algum tempo no fórum SkyScraperCity Brasil. Nesse tópico, assim como neste blog, eu posto uma foto por dia de Belo Horizonte e região. Até o início dessa semana, ambos recebiam a mesma fotografia e o mesmo texto, ou seja, um era praticamente uma cópia do outro. Mas por questões "democráticas" do referido fórum, meu tópico teve que ser removido da página principal, o que fez com que eu desistisse de postar fotos por lá, voltando a atenção apenas ao blog BH - Uma foto por dia.


Como o tópico que criei no SkyScraperCity Brasil é algumas semanas mais velho, ele tem algumas fotografias que não foram postadas aqui no blog. Portanto, a partir de hoje, vou postar essas fotos mais antigas intercaladamente, afim de poder mostrá-las para quem não as viu. Elas serão "fotos do dia", mas ficaram interpostas dia sim, dia não, com fotografias novas, tiradas no dia da postagem.

Abraços à todos,

Charles Tôrres

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

SECA
 
 
Nas últimas três semanas os belo-horizontinos estão sofrendo com o calor e a secura na cidade. Com temperaturas máximas de 33º nos dias mais quentes e humidade relativa do ar com mínimas próximas aos 20%, a situação se agrava na região central, onde a densidade de veículos e edifícios segregam o ar quente e impedem a circulação atmosférica. Na contramão da capital mineira, as outras duas grandes metrópoles do Sudeste estabelecem climas bem distintos: São Paulo com chuva de granizo e Rio de Janeiro com fortes ventanias. O alto contraste climático entre as três maiores cidades do Brasil, mesmo que próximas entre si, deve-se ao fim do inverno e à chegada de correntes marítmas frias e quentes em diferentes pontos do continente. Os metereologistas prevêem a chegada de uma frente fria na Grande Belo Horizonte amanhã, a qual deverá despencar a temperatura, deixando o fim de semana com máximas de 24º. Pancadas de chuva em áreas isoladas também estão previstas. Será uma trégua ao calor infernal que estamos vivendo na capital das alterosas?
 
Até amanhã!

terça-feira, 18 de setembro de 2012

CENTRAL PARK



Não é só Nova Iorque que tem direito à um parque urbano no coração financeiro da metrópole. O Parque Municipal Américo Renné Giannetti fica no Centro de Belo Horizonte e é a principal área verde do downtown belo-horizontino. Projetado pelo ilustre Paul Villon, o qual também projetou outros maravilhosos parques no Rio de Janeiro e em São Paulo, o "Central Park" de BH foi inpirado nos jardins de Paris, e é um recanto de lazer e sossego aos trabalhadores da região, na encruzilhada de um dos mais movimentados centros urbanos do Brasil. O  projeto reúne  coreto, orquidário, monumentos e teatro de arena; possui mais de duzentas espécies de árvores e plantas em geral, além de pequenas espécies de animais: pássaros, gatos, esquilos, micos e peixes. Áreas de lazer, como quadras de tênis, pistas de patinação, passeios de barco, aparelhos de ginástica, bar e lanchonete estão inclusos dentre suas diversas opções de entretenimento. A sua interação com a movimentação urbana do centro da cidade é contrastante, tamanha a paz que encontramos no interior do parque em distinção com a movimentação caótica das grandes avenidas que o circundam. Uma experiência inigualável!

Uma boa noite pra vocês e até amanhã.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

ELEVADO



A cidade grande é puro concreto
Tudo aqui é concreto menos o sonho
O sonho é um dôce na padaria
O concreto é a selva do bicho homem

Uma criança suja com o nariz sujo
Suja o vidro da vitrine da loja
Roubar é errado mas tudo é caro
O bife é de carne, a vida é de soja

A cidade grande e duro concreto
Um deserto no meio do coração
E a sociedade que se diz humana
Não sabe o que é amor nem compaixão

O ar é pesado, desce o vidro do carro
O bandido armado dita a lei do mais forte
A flor solitária nascida a beira do asfalto
Se banha no sangue de mais uma morte

O homem procria indiferente
Ao discurso demagogo da autoridade
enquanto a cidade condena inocentes
Os culpados gozam se sua liberdade

A cidade grande é um torre de babel
E é onde filho chora e a mãe não vê
O veneno está em lábios doces como mel
E o fel nos de quem luta pra sobreviver...

Glauco Letto

domingo, 16 de setembro de 2012

GIGANTE


(...)

Estamos hoje na capital brasileira que mais cresce, segundo pesquisa divulgada pelo Brookings Institute, respeitada instituição americana que estuda o ritmo do desenvolvimento socioeconômico ao redor do planeta. No último ranking do Brookings, que reflete os dados de 2011, Belo Horizonte aparece na 28ª posição, bem à frente de outras capitais do país. E basta circular por suas ruas e avenidas para reconhecer os sinais típicos das metrópoles desenvolvidas. "Tudo o que quero, encontro aqui", afirma o indiano Avishek Nigam. O engenheiro da multinacional Infosys, que mora no Belvedere há dois anos, sabe bem do que está falando. Já viveu em diferentes cidades de três países. Nigan trabalha em uma das 5 000 empresas de tecnologia da informação que se instalaram na região metropolitana. Juntas, elas faturam 1,6 bilhão de reais por ano e empregam 17 000 profissionais. A nova Belo Horizonte, capital da terceira maior região metropolitana do país, com 4,8 milhões de habitantes, engloba marcas internacionais, gastronomia diversificada e uma crescente oferta de entretenimento. "BH entrou claramente em um novo processo de modernização nos últimos 25 anos", diz o sociólogo e professor da PUC-Minas Otávio Dulci. Prova disso é a retenção de talentos - belo-horizontinos que escolheram ficar por aqui, pessoas que se foram e decidiram voltar e gente de toda parte do país e do mundo que veio morar na cidade. Atualmente temos uma grande população cosmopolita, com referências globais’’. (...)

Luiza Brasil - VejaBH

sábado, 15 de setembro de 2012

GEOMÉTRICA


Inspirada no urbanismo parisiense e washingtoniano, a área planejada de Belo Horizonte possui traçado geométrico, com ruas paralelas e perpendiculares que formam um imenso tabuleiro de xadrez; e avenidas diagonais, as quais cortam as quadras ao meio, criando quarteirões triangulares por onde passam. Contando com apenas 8.815.382 m², a área planejada da cidade ultrapassou seus limites idealizados ainda no início do século passado, possuindo hoje uma área urbana que conta com cerca de 900km² em toda a metrópole, aproximadamente. Ou seja, em pouco mais de 90 anos, a cidade ultrapassou em quase cem vezes o tamanho do seu raio preconcebido. E ainda sim não deixou de ser uma cidade geométrica, pois mesmo com uma expansão desenfreada, houve uma preocupação maior em manter a linearidade e a organização dos novos loteamentos que iam, aos poucos, se transformando em bairros. Há quem diga que BH é uma cidade desorganizada. Eu discordo. Com exceção das favelas, as quais contaram com ocupação irregular, BH é uma cidade com urbanismo preceituado em quase todas as situações. Claro que, com relevo acidentado em praticamente todo o território, não é sempre que os bairros conseguiam manter uma organização simétrica. Algumas regiões, como o São Bento, o Buritis, o Santa Lúcia, o Mangabeiras e outras centenas de localidades, possuem ruas e avenidas que acompanham o traçado dos morros e montanhas. E isso não é ruim. Faz parte do charme da grande urbe das Minas Gerais...

Abraços à todos e tenham um ótimo domingo!

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

DENSA


Boa noite pessoal!

Há tempos não escrevo sobre as fotografias que posto. No último mês minha vida anda um correria que nem eu sei como estou dando conta. Trabalho demais, tempo de menos, cada vez mais coisa pra fazer e o projeto "BH - Uma Foto Por Dia" vai ficando espremido entre uma tarefa e outra; de forma que não sobra tempo para escrever sobre as fotos, tarefa que adoro executar. Já virou um hobby pra mim. Estou com outros projetos em andamento e acredito que em breve vocês poderão ver alguns frutos deles. Enfim, fiquem com essa bela imagem que tirei de um dos milhares de mirantes que temos na nossa grandiosa Belo Horizonte. Na foto, Zona Central da grande metrópole!

Um abração pra vocês e tenham um ótimo fim de semana.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

BRAZUCA


Futebol? futebol não se aprende na escola

No país do futebol o sol nasce para todos mas só brilha para poucos
E brilhou pela janela do barraco da favela onde morava esse garoto chamado brazuca
Que não tinha nem comida na panela mas fazia embaixada na canela e deixava a galera maluca
Era novo e já diziam que era o novo pelé
Que fazia o que queria com uma bola no pé
Que cobrava falta bem melhor que o zico e o maradona e que driblava muito mais que o mané, Pois é...
E o brazuca cresceu, despertando o interesse em empresários e a inveja nos otários
Inclusive em seu irmão que tem um poster do romário no armário
Mas joga bola mal pra caralho
O nome dele é zé batalha
E desde pequeno ele trabalha pra ganhar uma migalha que alimenta sua mãe e o seu irmão mais novo
Nenhum dos dois estudou porque não existe educação pro povo no país do futebol
Futebol não se aprende na escola
É por isso que brazuca é bom de bola

(...)

No país do futebol quase tudo vai mal
Mas brazuca é bom de bola, já virou profissional
Campeão estadual, campeão brasileiro
Foi jogar na seleção, conheceu o mundo inteiro
E o mundo inteiro conheceu brazuca com a dez
Comandando na meiúca como quem joga sinuca com os pés
Com calma, com classe, sem errar um passe
O que fez com que seu passe também se valorizasse
E hoje ele é o craque mais bem pago da europa
Capitão da seleção, tá lá na copa
Enquanto o seu irmão, zé batalha,
E todo o seu povão, a gentalha
Da favela de onde veio, só trabalha
Suando a camisa, jogado pra escanteio
Tentando construir uma jogada mais bonita do que a grama que carrega na marmita
Contundido de tanto apanhar
Confundido com bandido, impedido
Pode parar!!

Sem reclamar pra não levar cartão vermelho
Zé batalha sob a mira da metralha de joelhos
Tentando se explicar com um revólver na nuca:
Eu sou trabalhador, sou irmão do brazuca!
Ele reza, prende a respiração
E lá na copa, pênalti a favor da seleção
Bola no lugar, brazuca vai bater
Dedo no gatilho, zé batalha vai morrer
Juiz apitou... tudo como tinha que ser:
Tá lá mais um gol e o brasil é campeão
Tá lá mais um corpo estendido no chão

O país ficou feliz depois daquele gol
Todo mundo satisfeito, todo mundo se abraçou
Muita gente até chorou com a comemoração
Orgulho de viver nesse país campeão
E na favela, no dia seguinte, ninguém trabalha
É o dia de enterrar o que sobrou do zé batalha
Mas não tem ninguém pra carregar o corpo
Nem pra fazer uma oração pelo morto
Tá todo mundo com a bandeira na mão esperando a seleção no aeroporto

É campeão da hipocrisia, da violência, da humilhação
É campeão da ignorância, do desespero, desnutrição
É campeão da covardia e da miséria, corrupção
É campeão do abandono, da fome e da prostituição

Gabriel O Pensador

terça-feira, 11 de setembro de 2012

LOUNGE


“Pela complexidade de sua fisionomia urbanística, Belo Horizonte gradua-se hoje entre os núcleos mais adiantados do país. Fluxos de população convergem de todos os quadrantes, atraídos pelas condições de vida econômica, social e cultural que aqui se lhes oferece. Em plena expansão demográfica, a cidade amplia-se em duplo sentido: horizontal e vertical assim na área geográfica aperfeiçoando concomitantemente seus aspectos arquitetônicos, como na esfera social e intelectual, dotada, a mais e mais dos recursos necessários ao conforto e à beleza das cidades modernas, e cada vez mais florescente nas atividades artísticas e cientificas por suas academias e órgãos culturais.”

Parte do relatório do prefeito Juscelino Kubitscheck, de 1941

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

SIMPLICIDADE


"O mineiro por si só já é engraçado. Tem essa coisa do matuto, do caipira, mas é inteligente, é esperto, é observador. E isso é muito importante, porque, observando, a gente sempre tira piada. E esse ambiente de bar, de prosear, contar histórias sempre sai coisa boa. (...) Eu adoro Belo Horizonte. Eu não a troco por nada. E olha que já viajamos bastante. Quanto mais longe a gente vai, mais saudade eu tenho daqui. Acho o povo bonito, adoro a comida daqui, acho fácil de andar, é tudo perto e, ao mesmo tempo, tem tudo que uma metrópole deve ter. O povo é acolhedor demais. Eu já fui produtor de vários festivais internacionais de teatro e recebi companhias de toda parte do mundo. Eles ficavam impressionados com a receptividade do mineiro. E eu tinha o maior orgulho disso, porque essas companhias se apresentavam no Brasil todo, mas achavam BH especial."

Caju e Totonho, em trecho de entrevista.

sábado, 8 de setembro de 2012

MULTIPLICIDADE


Não me canso de ver pessoas dizendo que o Centro de Belo Horizonte é feio... FEIO? Fico triste de ver cidadãos tão cegos. O downtown belo-horizontino é um dos lugares que possui os mais variados estilos arquitetônicos desse país, com edifícios que marcam as mais variadas épocas e movimentos. Temos inúmeros representantes modernistas, brutalistas, art décos, neoclássicos, ecléticos, contemporâneos, dentre outros. O fato de estar um pouco esquecido pelas autoridades não faz do Centro um lugar feio. Há algumas regiões bem populares no Centro, outras nem tanto, outras mais elitizadas... e é essa pluralidade que faz o lugar se destacar. Pra mim é a região mais interessante da metrópole! Há algo de excitante nessa multiplicidade toda. É uma pena que grande parte das pessoas só enxergam o superficial... sem ofensas!

Uma boa noite pra vocês e até amanhã!

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

MUSAS DA LIBERDADE


Construído em 1897, o Palácio da Liberdade foi, por muitos anos, a sede do Governo de Minas Gerais. Possui estilo eclético, com fortes raízes no neoclássico, passando também por Luís XV e Bizantino. O edifício serviu de moradia à inúmeros governadores, dentre eles, os ex-governadores e ex-presidentes da República Juscelino Kubitschek e Tancredo Neves. O prédio abriga um importante acervo artístico em seu interior, que vai de quadros de pintores renomados à exemplares raros da tapeçaria persa. O mobiliário foi projetado especialmente para ele e conta com escadarias fundidas na Bélgica, telhas de Marselha, pinho-de-riga da Letônia, entre outras relíquias. O Palácio da Liberdade foi palco de grandes manobras políticas de impacto nacional e é um dos principais edifícios históricos de Minas Gerais e do Brasil.

Uma boa tarde pra vocês e até amanhã!

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

O CÉU QUE TOCA O CHÃO


O céu está no chão
O céu não cai do alto
É o claro, é a escuridão

O céu que toca o chão
E o céu que vai no alto
Dois lados deram as mãos

Como eu fiz também
Só pra poder conhecer
O que a voz da vida vem dizer

Que os braços sentem
E os olhos vêem
Que os lábios sejam
Dois rios inteiros
Sem direção

O sol é o pé e a mão
O sol é a mãe e o pai
Dissolve a escuridão

O sol se põe se vai
E após se pôr
O sol renasce no Japão

(...)

Trecho da música Dois Rios, da banda belo-horizontina Skank.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

NOVA SUÍÇA


Localizado na Zona Oeste de Belo Horizonte, o Nova Suíça é um tradicional bairro de classe média, situado a cerca de 6km do Centro da cidade. Seu nome foi dado pelo primeiro comprador de terras na região, o Sr. Carlos Norder, dono da extinta Baleira Suíssa, que ficava na Rua da Bahia. O bairro abriga a sede de uma das melhores escolas públicas do Brasil, o CEFET-MG, o que confere um certo dinamismo ao lugar. As ruas do bairro possuem nomes de flores e cidades da Suíça, além de ser cortado pela Avenida Amazonas, o que lhe garante fácil acesso. 

Até mais!

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

SERRA DO CURRAL


Daqui até aonde a vista alcança,
Observo em grata clarividência,
Com toda a sua perfeita opulência
A Serra do Curral. Bela pujança

Essa obra da natureza abriga,
Tendo a seus pés a cidade espraiada
Como uma grande tela emoldurada;
Rara combinação, perfeita liga

Que coloca n’alma um profundo encanto
E ao olhar atento aprisiona tanto,
Pois não há defeito em ti que se aponte.

Não poderia ser de outra maneira;
A cidade toda a aclama altaneira.
Foi por ti o nome: Belo Horizonte.


Frederico Salvo

sábado, 1 de setembro de 2012


GOITACAZES


Contando com cerca de dois quilômetros de extensão, a Rua dos Goitacazes começa na passarela da estação de metrô Carlos Prates e termina na Rua da Bahia, já no Hipercentro da metrópole. É uma importante via da região central, especialmente para pedestres, já que para motoristas a rua é um pouco confusa, pois começa com mão para quem vai ao Centro e termina com mão para quem vai para a Via Expressa. A rua passa ao lado de dois grandes mercados do Centro, o Mercado Central e o Mercado Novo, além de acomodar centros universitários, centenas de empresas, pequenos galpões e comércio intenso e variado. A via passa também pelo Barro Preto, que é o maior pólo de moda de Minas e um dos maiores do Brasil, com lojas de roupa dos mais variados preços, além de armarinhos de dicados à confecção e aviamentos. É um logradouro com significativa movimentação de domingo à domingo, como em todas as centenas de outras ruas da região central de Belo Horizonte.

Uma ótima noite pra vocês e até amanhã!

Arquivo do blog