sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

METRÓPOLE ANALÓGICA


Eis mais um take da São José, de um ângulo diferente, feito com a câmera de filme Nikon F3, uma objetiva Rokinon 14mm f/2.8 e película Kodak ColorPlus ISO 200, estreando uma das vistas de uma das salas de aula da nova Metrópole - Escola de Fotografia.

- Charles Tôrres

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

O TORTO


Centro forte e rasgado, o metrô passa ao seu lado
Centro quadra e quadrado, sei de cor e salteado
Centro verticalizado, imponente e bagunçado
Centro grande e cobiçado, viaduto reforçado
Centro frio requentado, sujo e maltratado
Centro desmoralizado, rico e embaraçado
Centro lar enferrujado, torto e rabiscado
Centro multifacetado, bonito e arrojado
Centro proletariado, pobre recalcado

Centro hipérbole e humilde
Centro metrópole e luz

Centro paixão, cultura e arte
Centro por toda parte!

- Charles Tôrres


domingo, 22 de fevereiro de 2015

E LÁ SE VAI


Esse ano tem sido um grande galanteador em nossas vidas. Há poucos dias postei uma mensagem de despedida da região que morava, em virtude de minha mudança de residência para o Centro de BH. E agora, posto a última fotografia feita da varanda da Metrópole Escola de Fotografia, onde leciono. Motivo? Estamos mudando a escola para um lugar maior... bem maior! Um andar inteiro, para falar a verdade. Não mudaremos de região, tampouco de logradouro. A mudança será para um edifício vizinho ao que estamos abrigados atualmente. Apesar disso, a vista lá é um tanto diferente (melhor!), pois já que nos acomodaremos em um pavimento inteiro, teremos 360º de panoramas para desfrutar a paisagem. Aliás, que paisagem! As vistas das janelas do nosso novo espaço são espetaculares. E o endereço? Surpresa....

- Charles Tôrres

sábado, 21 de fevereiro de 2015

WINDOW VISTA


Pelas janelas do edifício, fotografo novos panoramas; acasos fotográficos momentâneos do raiar do dia. 

- Charles Tôrres

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

FULL SKY


Admiro quando o céu, as serras e a sóbria cidade se fundem num aspecto único, um abstrato constante, uma mescla de tons e rajadas tortuosas que nos faz lembrar pinceladas expressionistas. 

- Charles Tôrres

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

LUZ NO FIM DO TRILHO


E depois das intensas chuvas carnavalescas, enfim o clima se ameniza, dispersando o abafado calor que pairava sobre a capital mineira nesses últimos dias.

- Charles Tôrres

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

CARNAVAL CULTURAL


E o Carnaval em Belo Horizonte continua fumegando como uma chaminé, animando foliões nas ruas e avenidas; casais apaixonados entre quatro paredes; cults na 41ª Campanha de Popularização de Teatro e Dança; cinéfilos no Belas Artes; bons de garfo nas milhares de opções gastronômicas da cidade; artistas em ateliês; beatos nas igrejas; senhoras no chá das cinco; senhores nos jogos de damas e até a santa talhada em pau oco. Enfim, a cidade não parou, e a folia na capital veio para ficar, desbancando até os tradicionais carnavais mineiros, como o de Ouro Preto e Diamantina. Que o crescimento seja exponencial!

- Charles Tôrres

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

MINHA RUA


Multidões, multidões e mais multidões. Esse é o panorama registrado nas ruas da região central de Belo Horizonte, além de outras regiões da cidade. Daqui da rua Goiás de hora em hora passa um bloco animado, arrastando um mundaréu de gente nunca visto antes em outros carnavais mineiros. São blocos de todos os tipos, para todos os gostos. A fotografia acima foi feita na rua onde moro, como prova para especulado. Apesar de não pular carnaval, posso sugerir com segurança que temos uma folia quase tão boa e tão animada quanto os tradicionais carnavais das antigas capitais brasileiras: Rio e Salvador. 

- Charles Tôrres

domingo, 15 de fevereiro de 2015

CARNAVALESCA


E a festa em Belo Horizonte continua, com bloquinhos carnavalescos passando de tempos em tempos pelas principais vias da região central da cidade. Já deu de tudo: bandinhas de samba; marchinhas tradicionais; música eletrônica; rock; funk carioca e axé. Enquanto uns se divertem, outros aproveitam o ensejo para pregar  suas doutrinas religiosas, com blocos inteiros dedicados ao culto evangélico. Além disso, como não poderia faltar, alguns se organizaram para utilizar o evento protestando contra o atual racionamento de água, dentre outras manifestações.

- Charles Tôrres

sábado, 14 de fevereiro de 2015

CARNAVAL BELO-HORIZONTINO


E o Carnaval de Rua de Belo Horizonte segue arrastando multidões, se firmando como um dos melhores carnavais do país. Estima-se que cerca de 1,5 milhão de cidadãos se entregarão às ruas da cidade para a brincadeira, além de turistas brasileiros e estrangeiros. Um marco para Minas Gerais!

- Charles Tôrres

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

ROTA DE FUGA


O viaduto urbano-industrial, sequela art déco, artéria de desague veicular que liga o coração metropolitano ao seu primeiro reduto burguês da parte leste da cidade. Lugar de se apreciar a Andradas... e fazer aulas práticas do Curso Completo da Metrópole Escola de Fotografia.

- Charles Tôrres

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

FREE RUNNING


Sobre vias e viadutos
pontes e passarelas
carros e calçadas
bikes e botecos

Sobre prédios e penhascos
fábricas e fusquinhas
empresas e esquinas
casas e castelos

Sob o céus da cidade
abstratos alvoreceres
chuvas e chuveiros
tetos e telhas

Eu fotografo!

- Charles Tôrres -

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

ÁGUA DOS CÉUS


Metrópole de alma lavada, solo molhado, ar úmido e flora entusiasmada. Os céus desaguaram vagarosamente sobre a tez belo-horizontina na última semana, acalantando as quentes brisas que molestavam nossa paz. Nunca desejamos tanto as bátegas carregadas, os cumulus nimbus subexpostos. Viva a água que cai, nossa maior fonte de vida.

- Charles Tôrres

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

VICISSITUDE LATERAL


Olhar reverso, proeminente, do fotógrafo mirone, velejador do 17º andar.

- Charles Tôrres

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

DAMAS


Expressão é o sentimento de ordem. Dirigimos nossos algozes ao campo adversário, alimentando nosso terreno com resguardos. O ataque representa o momento de travar o auxílio fotossintético ambiental, retirar o olhar aguçado das vistas oponentes e concluir a conduta com o arrasto dinâmico dos peões, seguido de arqueamento vertebral.

- Charles Tôrres

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

OESTE DO CÉU


E o céu se exibe esplendidamente sobre a Região Oeste de BH. Apesar do calor infernal, que bateu os trinta e dois graus nas últimas semanas, as nuvens estavam pontuadas e espaçadas, deixando na atmosfera uma iluminação bem interessante, com rajadas que penetram a cidade em tons louros e cintilantes. As chuvas deram as caras em breves ocasiões, umidificando o ar e nossos pulmões, ressecados pela seca constante em épocas de baixa pluvial. Esse período do ciclo climático garante belos e diversificados panoramas, especialmente em uma cidade como Belo Horizonte, dotada de altos edifícios, relevo acidentado e grande variação da altura por entre as regiões da metrópole.

- Charles Tôrres

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

NÚCLEO


Centrão, miolo, cidade, âmago, cerne, núcleo, coração, hipercentro... Centro! São vários os nomes que distinguem a Região Central de Belo Horizonte. Quando dizemos "Centro de BH", podemos estar nos referindo à toda a área central da cidade, que compreende os bairros dentro do perímetro da Avenida do Contorno, como Lourdes, Santo Agostinho, Funcionários, Savassi, Boa Viagem, Lagoinha, Floresta, Barro Preto, Santa Efigênia... ou nos referindo apenas ao miolo da região central, chamado de Hipercentro pela prefeitura de BH. De qualquer forma, o Centro como um todo é bastante integrado e conta com milhares de restaurantes, cafés, bares, bancos, lojas, escritórios, empresas e alguns shoppings. De lá o cidadão belo-horizontino pode "tomar" seu ônibus, Move ou metrô pra qualquer zona da urbe, sem exceção. É a melhor região da cidade! Lá tem tudo, pra qualquer tipo, gosto ou situação. Os grandes museus da metrópole ficam no Centro... os maiores espaços culturais também. Além de excelentes pubs, teatros e cinemas. Pujante, o centro de BH é um formigueiro. Das 6h às 22h a região se entope de veículos e as mais diversas representações humanas. Lá você encontra o engravatado executivo indo trabalhar numa grande empresa; o esporte-fino indo ocupar seu posto num banco; o comerciante simples dono de um café; a perua falsa-loura dona de um cabeleireiro; o designer, o fotógrafo, o jornalista, o pedreiro, o marceneiro, o ladrão, o punk, o rapper, o hipster, o clubber, o hippie. Para os turistas, é parada obrigatória. Não tem lugar melhor na cidade para conhecermos o espírito de Belo Horizonte e seus habitantes.

- Charles Tôrres

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

ÚLTIMO ALVORECER NO OESTE


Eis o último take registrado antes de me mudar para o Centro, no alvorecer do lado oeste belo-horizontino, manifestado em tons celestiais extraordinários.

- Charles Tôrres

domingo, 1 de fevereiro de 2015

SABARÁ NA CHAPA DE FILME ASA 400


Estreitas, malfeitas, largadas... interessantíssimas! As ruas de Sabará são um misto de história barroca e urbanismo mal planejado, conferindo aspectos visuais singulares. Repletas de histórias, possuem uma atmosfera que nos remete ao período bandeirante, com arquitetura que vai do colonial ao barroco italiano. Sabará é hoje um dos mais importantes municípios da Grande Belo Horizonte, dado seu teor histórico e cultural. Graças a isso, é um dos principais pontos turísticos da Região Metropolitana, recebendo centenas de turistas diariamente. Mesmo inserido em uma metrópole com mais de cinco milhões de habitantes, o Centro Histórico de Sabará não perdeu seus ares bucólicos, explicitamente notados em suas ruas, construções centenárias, além do perfil provinciano de seus habitantes.

- Charles Tôrres

Arquivo do blog