quarta-feira, 11 de junho de 2014

ATMOSPHERE


Vinho, café, jazz, Savassi...
sirenes, suspiros, sinais, Centro...
lago, arquiteto, avião, Pampulha...
nobreza, vidro, mármore, Belvedere...
morro, reboco, favela, Papagaio...
indústria, metal, metrô, Contagem...
botas, judas, quilômetros, Confins...
roupa, sapato, tecido, Barro Preto...
história, barroco, barraco, Sabará...
italianos, franceses, esnobes, Lourdes...
povo, comércio, densidade, Venda Nova...
densidade, povo, comércio, Barreiro...
química, mecânica, elétrica, Betim...
tradição, rock'n'roll, espaguete, Santa Tereza...
autarquia, imponência, público, Santo Agostinho...
cimento, espírita, espátula, Pedro Leopoldo...
teatro, música, trem, Horto...

Vinho, café, jazz, sirenes, suspiros, sinais, lago, arquiteto, avião, nobreza, vidro, mármore, morro, reboco, favela, indústria, metal, metrô, botas, judas, quilômetros, roupa, sapato, tecido, história, barroco, barraco, italianos, franceses, esnobes, povo, comércio, densidade, química, mecânica, elétrica, tradição, rock'n'roll, espaguete, autarquia, imponência, público, cimento, espírita, espátula, teatro, música, trem, avenida, expressa, fotografia, dança, pão, baguete, política, noite, devassa, sexy, cultura... Belo Horizonte!

Metrópole das ruas sem fim... da gíria tupiniquim... do pão de queijo com cafezim... conurbada com Betim e longe de Baldim. Metrópole da atmosfera pulsante e inquieta, como um house a 800 RMS. Não para, não morre e não se dá por vencida...
pois é brasileira e não desiste nunca!

Charles Tôrres

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog