segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

GEOMETRIA CENTRAL


Inspirada no urbanismo parisiense e washingtoniano, a área planejada de Belo Horizonte possui traçado geométrico, com ruas paralelas e perpendiculares que formam um imenso tabuleiro de xadrez; e avenidas diagonais, as quais cortam as quadras ao meio, criando quarteirões triangulares por onde passam. Contando com apenas 8.815.382 m², a área planejada da cidade ultrapassou seus limites idealizados ainda no início do século passado, possuindo hoje uma área urbana que conta com cerca de 900km² em toda a metrópole, aproximadamente. Ou seja, em pouco mais de 90 anos, a cidade ultrapassou em mais de cem vezes o tamanho do seu raio preconcebido. E ainda sim não deixou de ser uma cidade geométrica, pois mesmo com uma expansão desenfreada, houve uma preocupação maior em manter a linearidade e a organização dos novos loteamentos que iam, aos poucos, se transformando em bairros. Há quem diga que BH é uma cidade desorganizada. Eu discordo. Com exceção dos aglomerados, BH é uma cidade com urbanismo preceituado em quase todas as situações. Claro que, com relevo acidentado em praticamente todo o território, não é sempre que os bairros conseguiam manter uma organização simétrica. Algumas regiões, como o São Bento, o Tupi, o Buritis, o Santa Lúcia, o Betânia, o Mangabeiras e outras centenas de localidades, possuem ruas e avenidas que acompanham o traçado dos morros e montanhas. E isso não é ruim. Faz parte do charme da grande urbe das Minas Gerais.

© Charles Tôrres / BH - Uma Foto por Dia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivo do blog