quinta-feira, 28 de março de 2013

ITAÚ PORTLAND


Situada em uma área onde se aglomeram grandes indústrias, a antiga fábrica de cimento Itaú Portland foi uma das principais fábricas do polo industrial da Grande BH durante quase 60 anos. Ela se instalou no bairro Cidade Industrial, no município de Contagem, em 1941 - e encerrou suas atividades em 1988, por conta de protestos da população contra a poluição excessiva que ela gerava. Principal fornecedora de cimento para a construção de Brasília, a indústria abrigava um cinema, onde, além de filmes, eram exibidos shows e peças de teatro produzidas pelos próprios funcionários. A Itaú Portland era a única fabrica de cimento no mundo que não estava localizada perto de uma jazida de calcário, recebendo a matéria prima através de um teleférico de aproximadamente 30km de comprimento, o qual ligava a fábrica à pedreira de Carrancas, em São José da Lapa - também na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Com a demolição da referida indústria, optaram por manter as quatro torres-chaminés, cujo comprimento da maior delas é 60 metros de altura (mesmo tamanho de um edifício de 20 andares), para compor o visual de um grande centro varejista que seria construído em 1998. Icônicas, elas se transformaram em um símbolo do poderio industrial da região, levando a prefeitura de Contagem a incluir na bandeira oficial do município o desenho de uma das torres em seu escudo. Hoje as torres pertencem ao Itaú Power Center, que é o terceiro maior centro de compras do Brasil; e o maior de Minas Gerais. O empreendimento reúne em seu espaço o Wall Mart, Sam's Club, Leroy Merlin e um shopping center.

Tenham uma ótima noite!

7 comentários:

  1. lindo trabalho!!! fico encantada a cada fotografia sua... pretendo um dia fazer um curso desta arte que tanto enche os meus olhos e a minha alma. Parabéns!!!! Andréia

    ResponderExcluir

  2. Sem sombra de dúvida, a foto é belíssima ! Mas, a história não está correta. A Itaú foi fechada na época pelo Sr. Antônio Hermírio de Morais que a comprou.

    ResponderExcluir


  3. A foto é realmente muito significatica e é de uma plástica impressionante. A fábrica da Itaú não foi fechada pelo motivo publicado. .Ela foi comprada pela Votorantim, do Sr Antônio Ermírio de Morais e fechada por motivos econômicos !!! Júnia . Gostaria muito que vocês retificassem essa informação, pois temos um compromisso em contar a história realmente como aconteceu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A informação que consta em diversos veículos de mídia é a que explicitamos acima. O BH - UMA FOTO POR DIA não se compromete em contar histórias verídicas ou não verídicas. Ele se sujeita a postar uma foto da Grande BH por dia, produzida pelo fotógrafo Charles Tôrres; e, no máximo, explicar um pouco sobre o local exibido, coletando informações de enciclopédias e jornais virtuais. O propósito do projeto não é informar cidadãos sobre a história da cidade. Nossa proposta está focada na estética da fotografia urbana, usando Belo Horizonte e região como plataforma para tal. Existem outros portais dedicados ao tipo de informação que procura.

      Espero que compreenda.

      Atenciosamente,

      Estúdio Metrópole

      Excluir
  4. O Teleférico Dcom 30 km de comprimento foi o maior do Brasil. Funcionou até 1988, mas em 1991 foram removidos os cabos, as caçambas e as torres de aço.
    Já as torres de concreto permanecem até hoje ( mesmo 73 anos depois de serem construídas), elas têm um formato de "T" possuem em torno de 4 metros de altura. O trajeto do teleférico da pedreira até a fábrica é este: São Jose da Lapa (Jardim Encantado) ; Vespasiano ( Vida Nova); Ribeirão Das Neves (Fazenda Severina, Pedra Branca Mizongue, Maria Helena,Jardim Primavera, Tony, Braúnas, Santa Fé e Contagem (Nacional, São Mateus, Água Branca). Possuia quatro estações de manutenção. As torres de aço tinham 20 metros de altura seguiam em linha reta até as imediações da Ceasa dali viravam na direção da cidade industrial. Quando cruzavam com avenidas principais tais como: MG 806 Denise Cristina da Rocha (antiga Civilização) , a via expressa no trevo com Babita Camargos, havia uma rede para proteção dos veículos e pessoas no caso de alguma pedra de calcário viesse a cair.

    ResponderExcluir
  5. pena que não encontro nenhum registro das caçambas do teleférico itaú.

    ResponderExcluir
  6. Até hoje estão as ruinas no bairro Vida Nova, brinquei muito lá, até uns 15 anos atrás tinha muito trilhos, maquinas, cabos de aço lá ainda, brinquei muito la...

    ResponderExcluir

Arquivo do blog